Translucência Nucal

A medida da nuca do bebê


A Medição da TN estuda a translucência nucal dos fetos com 12 semanas, e depois relaciona com a idade materna e antecedentes obstétricos para poder dar a probabilidade de alterações cromossômicas. Portanto, este exame não é para diagnóstico e sim um screning para se ver a probabilidade, de acordo com a idade materna, antecedentes e espessura da prega, de se ter alguma alteração genética.


A translucência nucal representa um pequeno acúmulo de líquido que ocorre na região da nuca do feto, durante um curto período da gravidez. Kypros Nicolaides, um pesquisador cipriota radicado em Londres – Inglaterra, estudou que fetos portadores de síndrome de Down possuíam um aumento desta região, perceptível e mensurável ao ultra-som, ainda no 1º trimestre, entre 11 e 14 semanas, quando ele mede entre 45 e 84 mm de CCN (comprimento cabeça-nádegas).


Posteriormente, vários pesquisadores identificaram uma relação entre aumento da translucência nucal e várias anormalidades fetais, genéticas e não-genéticas. Particularmente nos fetos com cromossomos normais, várias doenças ligadas ao sistema circulatório (coração) e ósseas foram descritas.

A translucência nucal possui sensibilidade média de 60% para diagnóstico de síndrome de Down, quando medida na técnica adequada. Se associada à idade materna e à medida do CCN, esta sensibilidade pode chegar a 85%.


O mesmo grupo de Londres identificou outra anomalia presente em fetos com Síndrome de Down, na mesma idade gestacional. Fetos com a doença mostravam ausência do osso nasal em 73% dos casos, fato verificado em apenas 0.5% dos bebês normais.


A medida de translucência nucal permite reposicionar a gestante em um cálculo de risco para cromossomopatias, grupo de doenças genéticas que inclui a Síndrome de Down. Uma gestante pode reduzir várias vezes o risco relacionado à idade, quando apresenta uma medida normal.


Por ser um exame ultra-sonográfico, sem riscos para o feto, recomenda-se sua realização em todas as gestações, independente do risco genético presente.


É importante lembrar, novamente, que este é um método de screening, e o diagnóstico de certeza somente pode ser dado com estudo do cariótipo fetal, que é feito pela aminiocentese (colheita do liquido) a partir de 20 semanas, mas este exame tem indicações precisas, como primigesta idosa e antecedentes familiares de síndrome de Down.






No mesmo exame ultra-sonográfico para medida da translucência nucal, a identificação de malformações precoces pode ser realizada, no chamado estudo morfológico de 1º trimestre.
Neste exame, vários órgãos, sistemas e vasos são pesquisados ao ultra-som e doppler, combinando os resultados que predizem uma gravidez normal.




Matéria atualizada em 30 de maio de 2010

 
 
 

 
 

 

 

 

Site atualizado em
7 de Novembro de 2014

Visitas Únicas:      14.311.658
Hits:               1.073.069.530
Pageviews:         236.252.999
Hyperlinks na Net:         7.325
Usuários Cadastrados: 37.371

 
 
 
 
 
 
 
 

 


© Copyright 2000-2014, Planeta Bebê - Todos os direitos reservados

É expressamente proibida a cópia e/ou divulgação total ou parcial do conteúdo deste site em quaisquer meios de comunicação, mesmo que a fonte seja citada.
Todo o conteúdo deste site é protegido pelas leis de direitos autorais. A violação destes direitos constitui crime e é passí­vel de ações judiciais.
Se você deseja publicar parte de algum conteúdo deste site, por favor, entre em contato com nossa redação através do e-mail redacao@planetabebe.com.br.
Fazer cópia é desleal. Seja Ético!

Este site foi desenvolvido apenas com propósitos educacionais e orientadores, portanto não pretende, em hipótese alguma, substituir uma consulta médica ou aconselhamento de um profissional de saúde qualificado. Se você ou seu filho estiver com algum problema de saúde, procure um médico de sua confiança.

Por favor, leia os Termos de Uso antes de utilizar este site. A utilização deste site indica seu total acordo com os Termos de Uso.


Anuncie no Planeta Bebê - Quem somos - Política de Privacidade - Termos de Uso
 
Powered by - Casa das Reformas
www.casadasreformas.com.br

Melhor visualizado com FireFox e Google Chrome